Doces e Licores Conventuais

A Mostra

ALCOBAÇA NA ROTA INTERNACIONAL DA DOÇARIA CONVENTUAL DE EXCELÊNCIA

 

A Mostra Internacional de Doces e Licores, ancorada na identidade territorial dos produtos endógenos de Alcobaça, provou, nestes últimos 20 anos, ser capaz de gerar dinâmicas positivas na região pela sua qualidade, identidade e originalidade. As empresas que trabalham na área da doçaria conventual levam o nome de Alcobaça além-fronteiras.

O concelho de Alcobaça tem marcas de verdadeira excelência, únicas. Para além dos doces conventuais, tem ainda a maçã, o vinho, o porco malhado, a pedra, as cestas de Coz, a chita, a cerâmica, os moldes, a cutelaria, a marroquinaria, o património natural (serra e oceano) e todo o riquíssimo património cultural, material e imaterial. Um território onde a qualidade de vida se espelha também no aumento de visitantes e de turistas.

A Doçaria Conventual de Alcobaça, legado dos Monges e das Monjas de Cister, senhores dos antigos Coutos de Alcobaça que, em cerca de oito séculos de permanência na região, deixaram na nossa memória a dedicação à terra, à arte, à agricultura e também à doçaria conventual. São famosas as cornucópias, o Pão-de-Ló de Alfeizerão, as trouxas-de-ovos, o licor de ginja de Alcobaça, entre muitas outras iguarias.

Este ano celebram-se 20 anos desta grande Mostra Internacional, organizada pela Câmara Municipal Alcobaça, pioneira na abordagem da Doçaria Conventual. Traz anualmente ao Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, dezenas de participantes e milhares de visitantes. Um enorme sucesso assente no respeito pelo legado da cultura cisterciense.

A Mostra decorre em pleno Mosteiro de Alcobaça, eleito pela UNESCO Património da Humanidade e uma das Sete Maravilhas de Portugal, onde se pode degustar o melhor do receituário conventual não só de Alcobaça mas, também, de outros mosteiros, conventos e pastelarias, nacionais e internacionais.

 

 

 

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

 

 

DOÇARIA CONVENTUAL - MUITOS OVOS, AÇÚCAR E AMÊNDOAS

A doçaria conventual portuguesa tem origem nos seus conventos e mosteiros. Uma tradição com muitos séculos de história, e de histórias secretas, que saíram das cozinhas conventuais, pelas mãos de monges e monjas, local de devoção onde se inventaram doces verdadeiramente divinais.

Uma história de árduo labor que engrandeceu a nossa gastronomia de reconhecimento internacional.

Os doces conventuais sempre estiveram presentes nas refeições, por vezes parcas, por vezes faustosas, que eram servidas nos conventos e, os muito apreciados licores, destilados a partir de bagas e de várias plantas, eram usados para fins medicinais.

Como se sabe, os ingredientes principais desta doçaria requintada, feita de amor, dedicação e muita paciência, são as gemas, o açúcar e as amêndoas.

Foi a partir do século XV, com a expansão do comércio do açúcar, que os doces atingiram maior notoriedade. Com a chegada em larga escala do açúcar, das antigas colónias portuguesas, a inspiração dos monges e das monjas juntou o açúcar com as gemas iniciando aquilo que hoje se denomina de Doçaria Conventual. O açúcar possibilitava obter vários pontos de calda e as mãos sábias dos que o trabalhavam pacientemente, durante largas horas de experiências, perceberam que os pontos de calda também permitiam a conservação dos doces durante muitos dias.

Entre os séculos XVIII e XIX, Portugal era o maior produtor de ovos da Europa. Boa parte das claras dos ovos eram exportadas e usadas para, entre outros fins, engomar roupas elegantes da corte europeia.

Os nomes dos doces conventuais derivam da cultura católica e da vida monástica: são as “barrigas de freira”, os “papos de anjo”, o “toucinho-do-céu”, nomes celestiais que tão bem conhecemos.

Como chegaram estas receitas até nós? Foi a partir de 1834, com a extinção das Ordens Religiosas, que as receitas saíram dos conventos e passaram de mão em mão, de geração em geração, para que, hoje, para nossa “devoção”, as deliciosas receitas de doces conventuais portugueses permaneçam bem vivas e na nossa mesa.

Muitas das receitas mais emblemáticas portuguesas, de doces e licores, podem ser degustadas e apreciadas no Mosteiro de Alcobaça de 15 a 18 de novembro, às quais se juntam receitas internacionais.

 

 

 

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

 

 

GRANDE DESTAQUE DA 20ª EDIÇÃO

“UMA HISTÓRIA DOCE”

VÍDEO MAPPING MONUMENTAL, ALUSIVO AOS 20 ANOS DA MOSTRA INTERNACIONAL DE DOCES E LICORES CONVENTUAIS, NA FACHADA DO MOSTEIRO DE ALCOBAÇA

 

 

Para a celebração da vigésima edição da Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais, o Mosteiro de Alcobaça irá receber um vídeo mapping monumental que irá dar vida, cor e animação ao transformar os 200 metros da sua fachada histórica num livro de receitas encantado.

Um espetáculo que conta com a colaboração da comunidade alcobacense através da  Academia de Dança de Alcobaça e da Sociedade Filarmónica Vestiariense “Monsenhor José Cacella”, resultante de filmagens realizadas pelo ateliê OCUBO no Cine-Teatro João D’Oliva Monteiro.

Neste livro mágico, enriquecido com património artístico e gastronómico dos Mosteiros de Coz e de Alcobaça, os ingredientes e utensílios ganham vida através dos movimentos dos atores virtuais.

As monjas cistercienses vão-nos conduzir por este mundo mágico, num musical dinâmico e cheio de vida que irá contar como se confecionavam as receitas conventuais mais conhecidas de Alcobaça. Nesta história estarão presentes igualmente os monges cistercienses que nos mostraram o cultivo e uso das ervas medicinais para os licores.

Para completar a nossa história doce, uma orquestra colorida vai representar os vários ingredientes das receitas que se misturam em animações divertidas e impactantes que irão enaltecer este monumento classificado pela UNESCO como Património da Humanidade, destacando o seu património histórico e imaterial.

 

LUGARES PATRIMÓNIO MUNDIAL DO CENTRO DE PORTUGAL é uma iniciativa que procura dinamizar os monumentos Património Mundial da Humanidade localizados na região Centro: os mosteiros de Alcobaça e da Batalha, a Universidade de Coimbra – Alta e Sofia e o Convento de Cristo, em Tomar. A primeira edição deste projeto trouxe a Alcobaça, em 2017, vários espetáculos inesquecíveis junto do Mosteiro de Alcobaça (Lúmen e alguns espetáculos inseridos nos festivais Cistermúsica e Gravíssimo).

Em 2018, no Ano Europeu do Património Cultural, a operação Lugares Património Mundial do Centro já trouxe ao Mosteiro de Alcobaça três grandes espetáculos que promoveram o cruzamento da Música com o Património no âmbito do festival Cistermúsica: no dia 12 de julho, "A Sagração da Primavera", o concerto sinfónico da Orquestra Estágio Gulbenkian, no dia 26 de julho, e o bailado "Murmúrios de Pedro e Inês", no dia 29 de julho. Ainda este ano, nos dias 15, 16 e 17 de novembro, no âmbito da Mostra Internacional de Doces & Licores Conventuais, que este ano celebra 20 anos, Alcobaça receberá na imponente fachada do Mosteiro um monumental espetáculo de vídeo mapping, alusivo ao legado gastronómico deixado pela Ordem de Cister, nomeadamente os doces e os licores, receitas de enorme riqueza gastronómica deixadas pelos monges e monjas que habitaram durante oito séculos a nossa região.

A Câmara Municipal desenvolveu esta ideia com OCUBO, tendo em conta a importância monumental e turística do Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, obra-prima do génio criativo da humanidade, para celebrar esta herança junto da população com um espetáculo multimédia na cidade de Alcobaça.

A operação Lugares Património Mundial do Centro é promovida e coordenada pela Turismo Centro de Portugal em colaboração com os municípios de Alcobaça, da Batalha, de Coimbra e de Tomar, a Universidade de Coimbra e em parceria com o Ministério da Cultura, através da Direção-Geral do Património Cultural e da Direção regional de Cultura do Centro. Este projeto conta ainda com a parceria estratégica da Comissão de Coordenação Regional da Região de Centro, sendo um projeto cofinanciado no âmbito do programa Centro 2020.

 

Datas /horário:

Quinta, 15 nov.: 20h, 21h, 22h e 23h 

Sexta, 16 nov.: 20h, 21h, 22h e 23h 

Sábado, 17 nov.: 20h, 21h, 22h e 23h 

 

 

 

 

 

 

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

 

 

 

OUTROS DESTAQUES

Regresso da Madeira à Mostra Internacional de Doces & Licores Conventuais a Casa do Povo de Curral das Freiras trará uma vez mais as suas especialidades conventuais.

O programa da TVI “Somos Portugal” estará em Alcobaça a transmitir em direto da Mostra no domingo, dia 18 de novembro.

 

 

 

 

 

 

 

  • Participantes
  • Espaços
  • Prémios
  • Júri